quarta-feira, 27 de abril de 2011

Arquivo: Escolha o seu sistema

Olá pessoas!
Nós últimos anos os grande lançamentos RPGísticos do país limitaram-se a atender os três grandes eixos: D&D, Storyteller e M&M (este último NEM tanto, mas deve ser considerado). Todo mundo sabe que eu odeio D&D (ou melhor, passei a odiar depois de usá-lo exaustivamente), mas devo confessar que o atual Mundo das Trevas não me cativou e M&M atende uma linha de cenário muito limitado para mim e que não é do meu grande interesse, ou seja, o universo dos quadrinhos.

Originalmente publicado no Roleplayer e no Blog do Tio Lipe "Cavaleiros".

Desta forma, vocês devem estar pensando que só o que restou então foi o 3D&T Alpha como sistema, mas meus jogadores não o tem em grande estima e até hoje desconversam quando eu tento narrar algo pra eles usando o mesmo (se bem que em parte é minha culpa, mesmo pq só quero narrar Naruto! XD). Então, como diabos eu venho narrando nestes últimos anos? Ou melhor, “o que” eu venho narrando e “como o que”?

Meu estilo narrativo é bem fantástico e genérico, com pitadas de realismo, mais ao estilo que o GURPS propicia, mas com uma liberdade maior para a criação pelo improviso (ou seja, eu sou mega afrescalhado na hora de usar um sistema), e poucos realmente atenderam as minhas necessidades. Dada as “várias” opções atuais em sistemas no nosso país, minha vida ficou bem complicada, e passei a “experimentar” demais. Peguei o storytelling e transformei em Fantasytelling, uma adaptação mais fantástica e generalista que caiu bem, mas que deu tanto trabalho de usar que acabei deixando de lado. Cheguei a mudar o BESM, uma versão d20 para jogos de Anime, mas tb não me agradou muito. Finalmente tive que passar um tempo sem narrar e foi quando eu passei a criar e criar sistemas, tentando chegar num bom resultado que me agradasse. Em pouco mais de 7 meses eu criei 8 sistemas (sem brincadeira, estão todos aqui no meu HD), todos parecidos em alguns aspectos e com suas peculiaridades que os diferenciavam. Cheguei até a testar um deles com sucesso, mas foi aí que travei e a inspiração para esta postagem me atingiu em cheio.

Ora, meu sistema está prontinho pra ser usado e, o principal, compartilhado. Mas será mesmo que vale a pena postá-lo na net? Não que eu queira que ele venha para revolucionar nada, mas será que existe espaço para ele por aí? Espaço até tem, sei disso (mesmo pq é só jogá-lo na net e pronto!), mas o problema maior e que me travou até hoje para postá-lo é justamente uma questão que me pegou de surpresa no início deste mês (junho de 2010): mas afinal quantos sistemas já têm por aí e que eu nem vi na minha busca por um bom sistema?

Foi então que comecei a fazer uma busca gradual a fim de sanar minha dúvida e descobri algo quase assustador (no bom sentido, claro): existem MUITOS sistemas por aí, e isso só os nacionais gratuitos que posso usar! Quer apostar comigo? Eu fiz uma listagem, e sei bem que podem ter muito mais por aí que não achei ou lembrei, chegando à conclusão que o problema está longe de ser a falta de opções, mas sim a preguiça por procurar e tentar achar algum que seja melhor pra você (ou no caso, pra mim!). Vejam só quanta coisa nós temos a nossa disposição e em português!


  • Dos sistemas publicados temos: D&D; Storyteller; Storytelling; 3D&T; M&M; BESM; Daemon. (esqueçam os d20 e cenários publicados em cima destes sistemas. Deixei de lado GURPS pq este deixado de lado – até pouco tempo atrás pelo menos. XD);
  • Tagmar 2 (e suas infinitas atualizações e suplementos);
  • Mighty Blade II (recentemente publicado de forma independente);
  • 4D&T, Ação!!! e Primeira Aventura (liberados na net);
  • SUPERNOVA Advenced (com vários suplementos);
  • NanoRPG (lançada 2ª edição recentemente);
  • Alchemia RPG (comentando recentemente nos blogs de RPG);
  • Highlighs (lançado no Paragons);
  • E os quase esquecidos: Bionética; Phatasia RPG; F.U.B.A.R; Nexus 2.5; Opera RPG.

Limitei-me aos materiais em português por um detalhe importantíssimo: é a nossa língua, ora! Meus jogadores não entendem inglês com perfeição, ou pouquíssimo, o que dificulta usar os materiais estrangeiros (sei o que vão dizer: existem traduções ou eu poderia traduzir, mas o pessoal aqui gosta de ler o livro de regras para montar seus combos e fichas, e não dá pra traduzir um livro inteiro! Aí de mim se eu fosse traduzir Exalted, por exemplo). Mas mesmo me limitando a que temos em português, vejam só quanta coisa! Nem parece, né? Mas podem crer que é. Só aí tem uma boa quantidade de horas dedicadas a leitura, te garanto!

E aí, ainda pensa como eu pensava? Ainda acha que não tem opções de sistema por aí? Sei que muito destes sistemas pode não agradá-lo, principalmente os independentes e gratuitos, mas garanto que se você deixar o preconceito de lado e dê uma boa lida verá que tem muita coisa boa onde você julga não ter. E se nada lhe agradar 100% (como foi comigo), quem sabe você possa ganhar a inspiração para criar seu próprio sistema e acrescentá-lo ao hall do material RPGístico livro do nosso país!

Até and Bye…