terça-feira, 28 de maio de 2013

Tsuchi Monogatari: Livro 1 – Vingança #03

Olá pessoas!
Mais um sábado, mais uma sessão de Tsuchi Monogatari. Os “Contos do vento” estão soprando com força para o nosso grupo, e gerando sessões cada vez mais épicas e emocionantes. Desta vez a sessão teve de tudo: comédia, drama, ação e terror! Uma pena que apenas Leish e Joka tenham vindo, mas foi o suficiente para gerar muita emoção numa sessão carregada de background e novos NPCs.


UMA FUGA, UMA CAPITÃ, UM NAVIO VOADOR! (ARCO DE CHIANG – PARTE 2)
Capitã Lina Budy
Aproveitando a oportunidade do esconderijo para pensar e entender quem era aquela jovem kyoshi e tudo que acontecera, Hikare e Matamune (TL) os explicaram que aquele local surgira com a magia gerada pelo despertar do Rei dos Mares num passado longínquo, e que era seguro por hora. Dai Lin estava bem confusa com o que houve. Sua mente não parecia absorver a realidade da maneira como deveria, deixando-a num estado latente e submisso. Sir Coxinha (Inácio) então lembrou de que, durante seus estudos na Ordem, ouvira falar de métodos para controlar a mente das pessoas por meio de joias que armazenam magias, sendo provavelmente a coleira que Lin usava algo do tipo. Perguntando a Matamune sobre tudo que estava acontecendo, este o prometeu explicar assim que retornassem a Ilha das Kyoshi.

Pensando estar seguros, foi por pouco que Lee Sin (Joka) ouviu um leve bater de asas. Ele voou direto na criatura oculta pelas sombras e capturou um morcego estranho e de olhos escarlate. Ao prendê-lo em sua mochila, eles ouviram estrondo ao longe e vozes: os soldados de Ming os encontraram! Encurralados, foram forçados a fugir pela encosta, mas ao chegarem ao fim do caminho viram que tinha apenas um pequeno bote para fuga, onde não caberiam todos. A única saída era escalar a encosta, mas foram recebidos pela cavalaria de Ming. Cercados por todos os lados e sem opções, eles se jogaram no mar justamente quando um relâmpago explodiu a encosta onde estavam. Repentinamente, quando acharam que era o fim, um navio voador os pegou no ar bem a tempo, levando-os para longe do continente e das terríveis nuvens que convocaram o relâmpago. Eles estavam no navio de Lina Buddy, uma velha conhecida de Kurosaki Shin (Leish), e de sua tripulação estranhíssima: um ser pequeno e impossível de entender chamado Nuth, o navegador; o faxineiro faz-tudo mal-encarado Jax; e a bela e séria médica Docthory. Tendo recebido um aviso de urgência da regente das kyoshi, Lina veio ao resgate de Shin e seus companheiros. Surpresos e agradecidos, todos enfim seguiram para a Ilha das Kyoshi.

Ao sobrevoarem a ilha, eles foram recebidos com uma vista nada agradável: uma grande cidade destruída. Hikare explicou triste que aquela era as ruínas da antiga capital das kyoshi, Sakura. Sem entender porque, Lin também chorou diante da vista, sendo amparada por Hikare. Vendo o tamanho das maldades de Ming, a ira de nossos heróis pelo tirano só aumentaram. Algumas horas depois, eles finalmente aportaram em Yuna, a nova capital das amazonas. Lá, eles foram recebidos por Romei, a braço-direito da regente. Ela pediu para que primeiro todos descansassem e se banhassem em suas fontes termais, e assim eles os fizeram, pois uma festa estava sendo preparada (os detalhes do que houve nas termas ficaram registrados apenas na mente daqueles que compareceram a sessão... XD).

SOMBRAS DO PASSADO E DO PRESENTE (ARCO DE CHIANG – PARTE 3)
Dai Mei
Descansados, eles seguiram para a festa, já pela noite, em homenagem aos heróis que resgataram a jovem Dai Lin das garras de Ming. Eles foram recebidos e premiados com uma apresentação folclórica especial: a senhora de todas as kyoshi, Dai Mei, dançou para todos os presentes, deixando a todos encantados. Ela então, após a apresentação, finalmente se reencontrou com Lin, que agora estava mais ciente de tudo que acontecera, para a alegria e emoção de todos. Mas nem tudo eram flores. Enquanto a festa continuava, nossos heróis conversaram com Mei sobre tudo o que acontecera e explicaram que Dai Ren, irmão mais velho de Dai Ven, o amigo morto de Coxinha, tornou-se o general das tropas de Ming, para a decepção de Mei. Ela explicou que ele era tio dela e de Lin, assim como Ven, ficando triste ao saber que seu outro tio havia falecido. Lin, entretanto, explicou que Ren sempre fora bom para ela enquanto estava nas mãos de Ming, mesmo ainda estando um pouco confusa com tudo o que ocorrera.

Foi então a vez de Matamune cumprir com a sua promessa e explicar tudo o que ocorreu e estava acontecendo, assim como o que descobrira durante as suas espionagens. Ele descobriu que Ming construiu uma grande frota de encouraçados de batalha e que reuniu um grande exército para tomar o controle de toda a província de Iônia. Ele só conseguiu tais recursos explorando terrivelmente a mão-de-obra escrava de kemonos nas minas de Sen-Sen, apoiado pelos nobres de Chiang. Matamune explicou também que eles tinham que destruir as minas de Sen-Sen e libertar os escravos, assim como destruir a fábrica de encouraçados de Ming, para só então conseguir parar os planos malignos de Ming.

Zack, o morcego mazoku
Foi então que todos ouviram guinchos saindo da bolsa de Lee Sin. Lá estava o morcego que haviam capturado, e que se apresentou como Zack. Sendo forçado, mas muito solícito, o pequeno morcego falou que pertencia a uma sub-raça de mazokus facilmente manipulados por Zabodi, o mago demoníaco que condenou a vila de Luang. Ao ser questionado da participação do mago, Zack disse que o odiava por ter sido usado como sua marionete e explicou que o Zabodi se aliou a Ming no passado para encontrar um artefato perdido na região, um orbe dentre os sete Tenbu Hörin que estava buscando, os “Tesouros do Céu”. Em troca, Zabodi realizou um ritual sob uma Lua Sangrenta para mudar a memória e emoções de todos os habitantes de Chiang, deixando-os sob o controle de Ming. Foi assim que os kemonos se tornaram escravos submissos dos humanos, e estes seus senhores, mesmo um dia tendo sido amigos ou mesmo familiares. Preocupados que Zabodi pudesse usar Zack novamente, o morcego garantiu que fora do seu alcance de controle ele pouco podia fazer. Entretanto, o pobre morcegou acabou se contorcendo de dor em pelo voo, inflando e explodindo para o susto de todos, sendo morto pela magia do terrível feiticeiro. Por sorte, ele teve tempo de explicar como a magia da Lua Sangrenta funcionava e como poderia ser desfeita, sendo um trabalho que apenas Sir Coxinha poderia fazer.

BATALHA SOBRE O CÉU DE YUNA (ARCO DE CHIANG – PARTE 4)
Navio Voador Leviatã
A festa seguiu, com Shin e Lina saindo para conversar em particular. Shin a explicou o que houve em Luang, deixando-a triste ao saber que sua tia D. Aoi havia morrido de forma tão cruel. Entretanto, Shin e Lee Sin perceberam que algo estava se aproximando pelo céu. Uma grande explosão destruiu parte da casa da regente, assustando a todos. Outras explosões se seguiram até que Mei e os demais organizassem um plano de fuga para os poucos habitantes da cidade. Um dos encouraçados de Ming voou até a cidade para destruí-la!

Rapidamente todos embarcaram em Leviatã, o navio de Lina, e foram ao encalço do inimigo. Entretanto, um tiro certeiro explodiu o convés, arremessando Lina e Docthory para fora do navio. Rapidamente Lee Sin e Dai Mei saltaram para ajudá-las, as pegando no ar antes que caíssem para a sua morte. Nuth atirou um arpão no encouraçado, enquanto Jax cuidava para concertar o leve do navio. Assim, Shin, Mei, Lee e Matamune escalaram a corda para parar a embarcação de Ming, deixando Coxinha para trás para ajudar Jax. Logo ao chegar ao encouraçado, porém, Matamune recebeu um tiro, sendo jogado no ar e sendo pego por pouco por Coxinha.

Lorde Ming
Os três que sobraram conseguiram embarcar, mas foram recebidos por Dai Ren, agora com uma pedra de jade presa a sua testa. Uma batalha se iniciou contra o general e seus homens, e Lee Sin percebeu que não conseguiria arrancar a joia tão facilmente. Numa batalha difícil, os três conseguiram dar cabo general e seus homens. Entretanto, uma presença aterradora ameaçou a todos e, pulando no último segundo, nossos heróis escaparam do encouraçado quando uma coluna colossal de chamas o explodiu. Mais uma vez Leviatã apareceu para o resgate, impedindo que caíssem na escuridão da noite. Mas então eles se viram cercados por mais dois encouraçados, e num deles estava o próprio Ming. Enlouquecido de fúria, o tirano concentrou mais uma vez o seu ataque implacável e o arremessou contra o navio de Lina. Parecia que era o fim para todos, quando uma figura apareceu. No alto do balão do Leviatã, o ser absorveu todo o impacto do ataque de Ming, pulando no convés para se revelar sendo o Mestre Roshi. Tendo vindo para pagar sua dívida com os jovens, o Mestre usou um ataque absurdo contra o navio de Ming, explodindo-o facilmente. Tendo ajudado e lembrando os jovens que o procurasse no futuro, ele partiu, mas ainda preocupado com o que estava por vir.

De repente, um rugido gutural reverberou no ar. O som de asas encheu a noite e as chamas iluminaram as escamas vermelhas. Um terrível dragão vermelho surgiu na noite e olhou para o Leviatã furioso. Era Ming, transformado e transtornado. De alguma forma ele se transformou num dragão, um dos seres que tanto odiava. Tudo por fúria e vingança. Ele então mergulhou em direção da cidade de Yuna, consumindo-a em chamas. Imponentes, nossos heróis apenas assistiram a cena. Em lágrimas, Dai Mei gritou desesperada. Ming então amaldiçoou a todos e partiu, deixando-os com o coração partido e ganhando um inimigo ainda mais terrível.