quarta-feira, 5 de junho de 2013

Tsuchi Monogatari: Livro 1 – Vingança #04

Olá pessoas!
Após três sessões intensas chegamos ao final do arco de Chiang. E não poderia ter terminado melhor, com direito a muitas medidas desesperadas e os heróis derrotando o temível vilão no último segundo! E todos os jogadores vieram desta vez (dado o meu atraso, deu tempo mais que suficiente para Nachos chegar a tempo). Se Ming, com sua história, atitudes vis, personalidade desprezível e sua forma dragão, entrar para o hall de vilões do SANDU, minha missão terá sido cumprida. Mas vamos ao jogo!

PLANOS PARA O CONTRA-ATAQUE (ARCO DE CHIANG – PARTE 5)
A batalha contra os encouraçados de Ming terminou com um resultado terrível: a destruição de mais uma cidade das guerreiras kyoshi. Aportando na cidade com o Leviatã, nossos heróis e Dai Mei observaram a destruição causada pelo déspota em sua nova forma demoníaca. Vasculhando por feridos, Lee Sin (Joka) sentiu a presença de alguém se aproximando. Alertas, os heróis acabam encontrando a jovem Hikare ferida, que caiu inconsciente. Preocupados, Matamune (TL) e Kurosaki Shin (Leish) partem em busca de mais feridos, localizando o restante da população de Yuna espalhados pelos pés das montanhas do centro da ilha. Entretanto, Dai Lin desapareceu, tendo sido sequestrada mais uma vez por Ming.

Enquanto a vila se reorganizava, nossos heróis e Mei foram interrogar Dai Ren, o general de Ming capturado durante a batalha. Ren explicou que estava arrependido por não ter aberto os seus olhos mais cedo diante das loucuras de Ming, tendo ficado ao lado do regente principalmente para proteger Lin, sua sobrinha. Ao mesmo tempo, como um soldado leal ao império e a sua cidade, ele não poderia abandonar Chiang e seus moradores a própria sorte sob o comando do déspota. Shin, então, contou para Ren tudo que eles sabiam sobre Ming, esclarecendo que o regente no passado fora um general respeitado pelo império, mas que foi jogando em Chiang para ser esquecido, dado que suas atitudes ameaçavam a integridade política imperial. Inconformado, Ren ficou ainda mais arrependido e solícito para auxiliar na causa dos nossos heróis, informando sobre como ele fora dominado pela magia da pedra que estava em sua testa e sobre a parceria de Ming com o terrível mago Zabodi, que obteve um orbe de jade misterioso como pagamento pela sua ajuda, tendo partido depois daquilo.

Sir Coxinha (Nachos) e Mei, então, pediram para falar a sós com o general, explicando que seu irmão mais novo e amigo de Coxinha, Dai Ven, morreu diante das magias de Zabodi. Triste, Ren recebeu o machado que Coxinha levava como lembrança do amigo, jurando que os ajudaria até o fim. Assim, nossos heróis traçaram seu plano para contra-atacar Ming e destruir seus esforços malignos para conquistar a província de Iônia!

AS TRÊS MISSÕES (ARCO DE CHIANG – PARTE 6)
Lina, a capitã do navio Leviatã, levou todos para terra, navegando ainda mais longe para deixar Lee Sin bem próximo das minas de Sen-Sen. O plano consistia em Lee derrotar os soldados que estavam lá, que não representavam uma grande ameaça, e libertar os escravos das minas. Com sua arte marcial, ele logo derrotou a todos, mas os kemonos não reagiram. Presos pela magia, eles apenas ficaram parados onde estavam, sem saber o que fazer.

Genbu Sado
A missão de Sir Coxinha e Matamune era encontrar o círculo ritualístico usado para controlar os moradores de Chiang e destruí-lo. Com a suspeita que o círculo poderia está nas galerias pluviais perto da fonte central da cidade, eles logo seguiram para lá. Nas galerias, eles se depararam com o rurouni mercenário contratado por Ming. Desejando um apenas um duelo com Coxinha, ele permitiu que Matamune passa-se ileso e começou o seu confronto. Numa luta terrível e mostrando uma face insana, o espadachim que chamou a si mesmo de Genbu Sado destruiu Coxinha com sua técnica sanguinolenta. Prevendo o pior, Matamune impediu que Sado mata-se o ogro, estourando parte do rosto do espadachim com um tiro certeiro. Entretanto, Sado sobreviveu e tentou realizar um último ataque, mas matando a si mesmo num ato de lucidez e ficando agradecido por finalmente ter sido libertado de sua sede de sangue. Sendo acordado por Matamune, mas muito ferido, Coxinha conseguiu seguir em frente. No fim do corredor eles encontraram o círculo sendo protegido por uma armadura vazia, que se moveu para impedi-los. Entretanto, canalizando o restante das suas forças, Coxinha destruiu o círculo maligno, libertando a mente de todos da cidade. Logo em seguida, conseguiram destruir a armadura e seguir em frente.

Enquanto isso, Shin e Dai Ren seguiram furtivamente para o arsenal de Ming. Lá, eles conseguiram preparar um plano para explodir todos os encouraçados do déspota que por pouco não deu certo. Tudo então começou a explodir no local e Shin retornou para encontrar com o general, encontrando-o inconsciente devido às explosões. Quando estava para fugir do arsenal com o general nos ombros, Dai Lin apareceu na frente de Shin usando uma nova coleira. Numa luta rápida, Shin conseguiu remover a coleira sem ferir Lin, libertando-a mais uma vez do controle de Ming. Vendo que ela ficou atordoada com a retirada da coleira, Shin aproveitou para dá-lhe um beijo e acordá-la para a realidade. Envergonhada, mas alerta, ambos saíram do arsenal com dificuldade devido às explosões e escombros, percebendo que a aura maligna da magia que controlava a todos desapareceu durante a confusão.

Círculo Místico da Lua Sangrenta

Com o fim do círculo, os kemonos das minas finalmente reagiram e perceberam todo o mal pelo qual tinham passado. Revoltados e inspirados pelas palavras de Lee Sin, eles partiram para pegar as carroças e montarias para fugir do local e ajudar seus irmãos na cidade. Quando Sin ia segui-los, porém, a armadura vazia que fazia vigília no fundo das minas adquiriu vida e veio impedir o monge. Durante o conflito, Zabodi se manifestou na armadura, tendo reconhecido Sin após seu encontro em Luang. O feiticeiro explicou que, no passado, ele também esteve na cidade onde Lee Sin estudou magia e que também era aluno de lá, tendo sido afetado de uma forma diferente pela maldição que Sin conjurou em todos da cidade. Quando descobriu que Sin tinha sido o responsável pela tragédia, Zabodi jurou que se vingaria por tudo o que houve e por ter se tornado um mazoku. Sin conseguiu destruir a armadura e se livrar da presença do feiticeiro, mas retornou para a cidade com a mente cheia de dúvidas sobre tudo o que ouvira de Zabodi.

OS HERÓIS DE IÔNIA (ARCO DE CHIANG – FINAL)
Após uma fuga complicada, Kurosaki Shin pediu para que Dai Lin levasse Ren até os portões oeste da cidade onde Mei e suas kyoshi estavam atraindo os olhares de Ming e seus soldados. Enquanto isso, a cidade estava um caos generalizado. Libertos da magia opressora, os kemonos se rebelaram contra seus captores e, com a ajuda de alguns humanos muito arrependidos, passaram a perseguir os soldados que ainda se mantinham leais ao regente. Correndo o mais rápido que pôde, Shin pulou sobre as muralhas do palácio de Ming, desafiando o déspota a aparecer. Logo em seguida, Lee Sin, Matamune e Sir Coxinha apareceram ao seu lado, reforçando o desafio. Era hora do confronto final!

Ming então respondeu a provocação, mas surgiu por trás dos nossos heróis. Vindo da direção dos portões oeste, onde estava rechaçando as ações de Mei, ele capturou Lin e Ren em suas garras draconianas. Percebendo que Ming estava levantando voo para explodi-los do alto com seu sopro de chamas, rapidamente Shin ajudou Matamune a pular sobre a cabeça do dragão e atirar nele a queima roupa, que sofreu muito com o ataque. Distraído, Lin aproveitou a chance e conseguiu paralisar as asas de Ming, derrubando-o no chão. Porém, ela e Ren seriam esmagados pelo peso do dragão, sendo salvos no último momento por Coxinha.

Ming das Chamas

Agora preso ao chão, Ming teria que lutar corpo a corpo com os heróis. Numa batalha feroz, Matamune foi o primeiro a cair, quase sendo engolido pelo dragão e atacando por dentro da boca, escapando no último segundo. Logo Coxinha e Shin também caíram, mas num último ataque desesperado ambos uniram suas forças e deram o golpe derradeiro em Ming, congelando-o em pleno ar e sendo despedaçado ao tocar o chão. Com apenas Dai Lin, abraçando desesperadamente Shin por tê-la salvo mais uma vez, e Lee Sin de pé, Ming fora definitivamente derrotado.

A noite passou com a Sin e Mei trabalhando juntos para reorganizar a cidade, enquanto os demais descansavam. Com o amanhecer, Shin acordou e viu que Lin ficou o seu lado a noite inteira, preocupada. Matamune e Sir Coxinha também despertaram e se encontraram Mei e Ren conversando perto a uma tenda. Lá, eles decidiram que Mei governaria Chiang até que um novo regente fosse escolhido, tendo ela e Coxinha enviando uma carta à capital propondo que Dai Ren fosse eleito como novo regente. Agradecidos, Mei e Ren fizeram uma reverência aos quatro heróis, anunciando-os como os heróis de Iônia. Toda a cidade que se encontrava ali imitou o gesto de seus representantes, e logo os heróis foram ovacionados.

Lina e sua tripulação chegaram em seguida com o Leviatã concertado, dizendo que ouviram um rumor de aonde o mestre Roshi poderia ter ido. Percebendo ai uma oportunidade, eles resolveram entrar no navio e seguir para cidade de Johen, conhecida pelo seu comércio mágico e onde poderiam descobrir mais sobre Zabodi e seus planos, além de tentar encontrar o sábio mestre. Enquanto isso, Lina seguiria em frente para a cidade de Wuwei, onde um torneio de artes marciais que acontecerá em breve está atraindo muita gente e oportunidades de negócios. Porém, quando os heróis subiram no navio, uma forte presença maligna surgiu, ameaçando a todos. Ao longe, na direção das minas, um raio de energia sinistra e esmeralda subiu aos céus, assim como quando Zabodi conseguiu despertar o orbe que obteve em Luang à custa das vidas de seus moradores. Preocupados, mas motivados, nossos heróis seguiram em frente, prometendo retornar a Chiang um dia e aos amigos que ali fizeram.

Nenhum comentário:

Postar um comentário