quarta-feira, 3 de julho de 2013

Tsuchi Monogatari: Livro 1 – Vingança #06

Olá pessoas!
Mais um dia, mais uma sessão. Após um recesso forçado de 15 dias (problemas de saúde), voltamos a nos reunir para mais uma sessão gigantesca, épica e engraçada de Tsuchi. Os acontecimentos desta sessão praticamente encerraram as muitas pendências de Johen, e revelaram verdades ocultas do passado de algumas personagens. Mas enquanto alguns fatos foram resolvidos, novos problemas não param de surgir. Vamos à ação!

PROBLEMAS SOBRE PROBLEMAS (ARCO DE JOHEN – PARTE 4)
De posse de informações valiosas sobre Zabodi e os Tenbu Hörin, os heróis saíram da loja da bruxa Yuuko com o amanhecer, vendo-a desaparecer da mesma forma estranha que surgira. A noite fora longa e eles precisavam descansar, seguindo para uma pousada. No meio da tarde, porém, o estalajadeiro veio acordá-los, pois a polícia local desejava vê-los. O chefe da guarda Watari e seus subordinados vieram levar Sir. Coxinha (Inácio) sob custódia, pois ele era suspeito do sequestro da juíza Haruno, que havia condenado um bandido à forca no dia anterior. Não muito solícitos, eles aceitaram ir à delegacia esclarecer a situação.

Ao entrar na delegacia movimentada, o chefe Watari os levou ao seu escritório, conjurando uma bolha de isolamento de som no ambiente usando uma “ampulheta horizontal”, garantindo a segurança da conversa. Ele, então, usou um “diapasão de verdade” em Sir. Coxinha, verificando que o herói falava a verdade sobre pertencer a Ordem do Sol Ascendente. Mais aliviado e pedindo desculpas, Watari explicou o que estava acontecendo. Muitas pessoas haviam sumido na cidade durante os últimos meses, mas nunca uma autoridade até aquele momento. Todos os desaparecimentos haviam ocorrido de forma misteriosa, e nem mesmo os seus investigadores magos não haviam tido sorte em localizar o sequestrador. Entretanto, na cena do desaparecimento da juíza foram encontrados vestígios de ogro, caindo a suspeita diretamente sobre o único que fora visto andando pela cidade: Coxinha.

Momentos depois, um dos guardas entrou na sala e explicou que outros ogros foram avistados mais cedo e que eles provavelmente tinham sido os responsáveis por matar dois vigias de uma das entradas secretas da cidade havia 5 dias. Retirando a acusação sobre Coxinha, Watari o entregou uma carta em “piroglifo” encaminhada há alguns dias por Lin Yona, chefe da Ordem. A carta explicava a chegada de Coxinha (mas não que se tratava de um ogro paladino) e os fatos sobre o que houve em Chiang. Agora solícito a causa dos heróis, Watari garantiu que os ajudaria no que fosse preciso, desde que estivesse ao seu alcance. Ao mesmo tempo, os heróis acrescentaram o problema de Hebi. O criminoso que estava usando as crianças de rua da cidade para roubar não era novidade para o chefe da polícia, mas ele não tinha ideia de quão terrível o bandido estava sendo. E ainda havia o problema do ladrão de calcinhas, algo que Watari não via como prioridade, devido os sequestros.

INVESTIGAÇÃO CRIMINAL (ARCO DE JOHEN – PARTE 5)
Professor Snape
Assim, Watari deu aos heróis distintivos temporários de investigadores e os disse onde era a casa da juíza Haruno. Ele também entregou para Sir Coxinha um “colar de localização”, seguindo o protocolo até o caso ser encerrado. Indo até a casa, eles se dividiram e cada um localizou pistas extras ao caso. Lee Sin (Joka) encontrou uma bolsinha de moedas suja com resquícios de uma gosma estranha, provavelmente pertencendo à juíza. Matamune (TL) encontrou resquícios da mesma gosma na borda do telhado e próximo à saída para o jardim dos fundos. Sir. Coxinha viu que havia pequenas marcas de queimadura química nos lençóis e na abertura da parede gerada pelo suposto ogro sequestrador. Kurosaki Shin (Leish) localizou rastros grandes e estranhos saindo pelos fundos da casa e seguindo um córrego até desaguar no rio e desaparecer misteriosamente, provavelmente por meios mágicos.

Com estas informações, Sir. Coxinha e Lee Sin seguiram até a Academia Arcana para conversar com Snape, o professor de porções, e descobrir mais sobre aquela gosma estranha. O professor relevou que ela se tratava de um veneno corrosivo complexo e que apenas uma pessoa poderia produzi-lo: Hebi. Ele então os explicou a história de um órfão prodígio que desejava provar seu valor e inteligência, mas que errara na confecção de uma porção de extrema complexidade e que a tomara, derretendo-se em veneno na frente do estarrecido professor (isso te lembra algo, Joka?). Snape havia suposto que Hebi morrera naquele dia, e suspeitou que fosse de fato seu antigo aluno quando notícias sobre o criminoso começaram a surgir. Entretanto, aquela gosma só poderia ser coisa de Hebi. Antes de saírem, o professor entregou a cada um uma ampola com um antídoto especial contra aquele tipo de veneno e explicou que poderia produzir mais apenas em três semanas.

Agora certos de que o aproveitador de criancinhas também era o responsável pelos sequestros, os heróis seguiram para o bairro mais perigoso da cidade a fim de encontrar a taverna Veneno Verde, local onde Yuuko os informara que poderiam encontrar Hebi. No caminho, eles se encontraram com o Away, o amigo que Nue pediu que Sir Coxinha ajudasse e que tentou roubar Lee Sin no dia anterior. Perguntado sobre seu empregador, Away explicou que sabia onde Hebi estaria naquela noite, mas que só poderia ajudar até ai, pois temia por sua vida. Expondo-se demais, os heróis foram cercados por assassinos do bairro, que descobriram que eles estavam trabalhando com a polícia. Num combate perigoso e rápido, um dos assassinos acabou fugindo, deixando para trás seus comparsas mortos ou presos.

Guiados por Away, os heróis chegaram até o Veneno Verde, ficando o kemono e o garoto nos telhados ao lado da taverna. O porteiro deformado estranhou aqueles três que estavam entrando, pois não os havia visto antes, mas também não fez perguntas. Dentro da pocilga, os heróis tentaram não chamar atenção, percebendo tudo a sua volta. Lee Sin ouviu uma conversa interessante de um bandido com um senhor elegante demais para o local, apontando na direção deles. Ao que parecia, o tal senhor desejava tratar de negócios com Hebi e sabia que o bandido era um dos seus contatos. Não conseguindo marcar nada naquela noite, o senhor saiu da taverna, sendo seguido de perto por Matamune e Shin. Ao entrar num beco, porém, o senhor virou uma nuvem de morcegos e desapareceu na noite, levantando a suspeita sobre ele ser Zabodi disfarçado.

A AMEAÇA VENENOSA (ARCO DE JOHEN – PARTE 6)
Hebi, a "Cobra"
Na taverna, Lee resolveu jogar carteado com o bandido, que se apresentou como Sergin. Achando que ganharia fácil de um cego, o bandido ficou surpreso com a habilidade de Lee, perdendo o jogo miseravelmente. Lee faturou todo o dinheiro que o Sergin tinha nos bolsos, e propôs outra aposta envolvendo Hebi. Negando a proposta, Lee o provocou, deixando-o furioso e o humilhando quando tentou atacar o ágil cego. Quase perdendo a cabeça, Sergin só parou de tentar acertar Lee quando o próprio Hebi apareceu atrás dele. Amedrontado, Sergin saiu de cena e Hebi pagou um adicional pelo jogo anterior, além do constrangimento gerado pelo seu capanga. Nesse momento, Coxinha colocou sua mão sobre o ombro de Hebi, exigindo que ele se entregasse. Em resposta, o criminoso ameaçou o ogro, dizendo que poderia matar a todos num raio de 50 metros com facilidade caso tentassem algo contra ele. Vendo que a situação estava contra eles, Coxinha resolveu soltar Hebi, mas não antes de esconder em suas vestes o localizador que Watari o havia dado. Assim, o criminoso sumiu na frente de todos, para o alívio da taverna.

Voltando à delegacia, levando Away e o porteiro da taverna junto (que aceitou ir após Lee Sin chutar a sua bunda), os heróis explicaram para Watari que agora podiam localizar Hebi. Vendo que o esconderijo do criminoso era nos esgotos, numa grande galeria, Watari prometeu que daria aos heróis algumas horas de dianteira, mas que cercaria as saídas dos esgotos naquele ponto, garantindo assim que Hebi não fugisse. Os heróis então foram até onde estava o criminoso, encontrando também o local onde as crianças que ele usava para os roubos se reuniam, tendo muitas delas lá. Aproximando-se à surdina, Shin e Matamune se esconderam, mas após Sir Coxinha e Lee Sin entrarem bem visíveis, Hebi relevou que sabia onde todos estavam.

Assim que o combate começou, Hebi conjurou uma grande nuvem tóxica que passou a causar dano em todos, inclusive nas crianças. Tomando suas ampolas com o antídoto que Snape os dera, Lee e Coxinha conseguiram ficar dentro da nuvem e lutar contra Hebi e seus golens de veneno, enquanto que Shin retirava todas as crianças antes que elas morressem pela toxina e Matumune atirava às cegas fora da área da nuvem. A batalha foi rápida e desesperadora, onde Coxinha e Lee acabaram caindo após Hebi explodir o local num ato de loucura. A rua acima acabou desabando sobre eles, sendo salvos por Shin e Matamune, mas o pobre kemono acabou ficando preso sob os escombros.

"Eu levarei todos comigo!"
Após vários minutos, Matamune finalmente foi salvo, vendo que Shin correra para pedir ajuda aos policiais e médicos da Academia Arcana. Saika, que também estava lá, localizou o que restara do corpo de Hebi, e Snape o deu como finalmente morto. Com a retirada dos escombros, uma porta aos fundos do salão subterrâneo foi descoberta, encontrando-se o laboratório macabro de Hebi. Lá, eles descobriram os planos do criminoso, que estava testando fórmulas mágicas venenosas nos sequestrados a fim de encontrar uma cura para si mesmo. Todos haviam morrido, exceto a juíza Haruno que devido o seu raro sangue meio-kemono fora escolhida por último. Ao que pareceu, aquela era a obsessão de Hebi, e ele não mediu esforços para alcançá-la. Jogado num canto, quase escondido, Shin encontrou um diário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário