segunda-feira, 15 de julho de 2013

Tsuchi Monogatari: Livro 1 – Vingança #07

Olá pessoas!
E finalmente chegamos ao Season Finale do nosso Anime em forma de RPG, fechando o Livro 1: Vingança. E a grande cidade mágica de Johen foi escolhida como o palco para a batalha final entre os nossos heróis e o terrível mago Zabodi. Muita ação, sangue e lágrimas fizeram parte desta última sessão, fechando muitas pontas e abrindo um grande leque de dúvidas sobre o futuro que está por vir. E vamos ao grande final!


LUA SANGRENTA (ARCO DE JOHEN – PARTE 9)
Foi tudo muito rápido. Algumas breves palavras trocadas entre Sir. Coxinha (Inácio) e seu irmão Burnkvar, um tiro de Matamune (TL) e um ataque do inimigo nos portões da loja de Yuuko. O mundo de Aria então sumiu da vista dos heróis e a loja da bruxa retornou ao seu plano de origem: um dos planos espirituais que rodeiam Aria. Yuuko explicou que ela e suas servas estavam presas naquele plano, e que somente pode manifestar seu poder no mundo mundano quando é noite. Entretanto, ela se esforçaria ao máximo para conjurar todos de volta em Aria, mesmo que a esgotasse e fosse por apenas alguns instantes.

A bruxa Yuuko
Enquanto Yuuko preparava o seu ritual, Hagoromo e Sir. Coxinha aproveitaram para conversar. A visão de Lee Sin (Joka) retornou naquele plano, e ele aproveitou para ler um livro. Matamune e Kurosaki Shin (Leish) observaram o plano espiritual, curiosos, e até chegaram a “conversar” um pouco com um ser espiritual antigo que estava andando por perto. A bruxa, então, desenhou um símbolo arcano com seus ingredientes no jardim e invocou seu ritual usando um báculo estranho. Ela fez a loja surgir no mundo de Aria novamente e calculou que aproximadamente 6 horas haviam passado, sendo quase meio dia. Entretanto, um eclipse nefasto estava acontecendo, jogando a cidade inteira em escuridão. Estava chovendo ácido também e eles ouviram gritos ao longe, ecoando de um pilar que nunca deveria estar ali. Yuuko os explicou que aquilo era uma Lua Sangrenta, um ritual maligno que só poderia ter sido conjurado por um feiticeiro mazoku. Prevendo o pior, ela presenteou cada herói com um pingente de cristal, explicando-os que se recorressem ao amor que sentiam por alguém quando estivessem na situação mais desesperadora o cristal os daria o poder para seguir em frente.

Ao saírem da loja, agradecendo a bruxa, Hagoromo voltou a se tornar Nue, assustada. Por sorte, eles toparam com Jax, o faz tudo da pirata Lina, amiga de Shin. Eles a entregaram para Jax e o avisaram que precisavam da ajuda de Lina, já que ela voltou à cidade. Correndo, Jax foi para o navio, enquanto que os heróis seguiram para o pilar.

E nasce mais uma Lua Sangrenta!

SALVEM JOHEN! (ARCO DE JOHEN – PARTE 10)
O pilar, que mais se assemelhava a um monólito, parecia ter sido feito de corpos humanos e pulsava como se estivesse vivo, e realmente estava. Emanando dele, Sir. Coxinha pôde ver que uma torrente de força espiritual estava mantendo as nuvens de chuva ácida naquela grande área da cidade. Ao redor do pilar, um verdadeiro exército de mortos-vivos espalhava o caos, matando todas as pessoas que estavam por perto. Os soldados da guarda já tinham sido mortos e restavam apenas os heróis para salvar aquelas pessoas. Shin correu para ajudá-las, enquanto que Matamune dava cobertura a distância e Coxinha e Lee Sin destruíam o pilar. A batalha foi dura e Matamune teve que recorrer ao poder do pingente para se manter na batalha. Eles estavam desesperados e ainda havia muitos inimigos, quando finalmente Lina apareceu com seu Leviatã, explodindo os números dos inimigos. Assim, a batalha foi vencida.

O Trio das Sombras

O Leviatã parou sobrevoando a delegacia de Johen, onde os heróis se encontraram com Watari. Junto a ele estavam Saika, a filha do diretor da Academia Arcana e enviada até lá pelo seu pai, e o trio das sombras da Ordem do Sol Ascendente: Shen, Akali e Kennen. Saika explicou que eram 5 pilares ao todo, formando um pentagrama na cidade, onde o mais protegido tinha sido conjurado na Academia e que eles eram responsáveis pela Lua Sangrenta ter sido invocada. Apenas com a queda dos pilares é que o eclipse acabaria, e o exército morto-vivo sumiria com o sol. Os heróis falaram, então, como derrotar os pilares. Assim, Watari organizou suas forças e a separou em quatro contingentes. Três deles foram liderados por cada um dos membros do trio das sombras, enquanto os heróis, Watari, Saika e as tropas de elite seguiram para ajudar os magos na Academia Arcana. Era a hora de recuperar a cidade!

ZABODI (ARCO DE JOHEN – FINAL)
A Academia Arcana de Aavan era um caos absoluto. De fato, a força inimiga ali era gigantesca. Um verdadeiro exército fora convocado para proteger aquele pilar, e muitos magos já haviam perecido. Uma luz esmeralda subiu aos céus exatamente sobre o grande castelo da academia, alertando os heróis da presença de Zabodi. Somente o mazoku poderia ser responsável por tudo aquilo. Matamune ficou mais uma vez na retaguarda, preparando seu disparo mais certeiro e destruidor. Enquanto isso, Sir. Coxinha encontrou-se frente a frente com seu irmão Burnkvar, tendo uma luta devastadora. Já Lee Sin e Kurosaki Shin se viram diante de um shinobi espadachim que parecia ser feito de luz, e que anunciou que iria limpar do mundo todos os shinobis, a começar pelo portador da Nocture, espada gêmea da sua própria, Luxana. Os heróis saíram vencedores e Matamune destruiu o pilar com seu único tiro, mas caiu diante do ataque dos inimigos.

Shinobi misterioso de luz
Nessa hora, ouviu-se uma gargalhada terrível e Raidou-sama, pai de Saika, caiu para a morte dos céus. Voando ao alto, Zabodi finalmente apareceu, montando uma criatura feita de escuridão e ventos selvagens, chamada Malacade. O mago começou a concentrar uma magia maligna poderosa, enquanto que Coxinha corria para escalar o castelo da Academia e se jogar ao seu encontro. Enquanto isso, Shin pulou sobre Malacade, que lançou um ataque devastador de vento e sombras sobre todos abaixo dele, aliados ou não. Coxinha atacou Zabodi com toda a sua força, mas o mago resistiu e lançou seu terrível ataque, tornando o castelo um monte de escombros e engolfando Coxinha na explosão. O ogro paladino caíra, porém não sem antes acertar um último ataque de sua clava, forçando o mago ao chão.

Nesse meio tempo, Lee Sin correu para proteger Matamune dos inimigos, e estava voltando para ajudar Coxinha. Malacade mantinha Shin ocupado, o que deu tempo para Zabodi lançar um arpão de energia negativa em Lee, quase o matando. Mas o herói recorreu ao poder do pingente que Yuuko o dera e recuperou todas as suas forças, pensando em todos os amigos que fez até ali e que sofreram nas mãos de Zabodi. Os dois heróis restantes lutaram com todas as suas forças contra os demônios, conseguindo finalmente vencer. Mas Zabodi tinha uma última cartada. Reunindo todo o seu pode mágico, o mazoku começou a brilhar para explodir e levar a todos juntos com ele. Era o fim. Tudo acabaria ali. Não havia salvação. Então, Lee Sin olhou para Matamune e Sir. Coxinha caídos, reuniu todas as suas forças restantes e correu para o feiticeiro, agarrando-o e se jogando aos céus com ele. Ambos explodiram. A Academia ainda sofreu um pouco com o ataque suicida, mas o maior estrago já havia ocorrido. Lee Sin morrera.

O grande feiticeiro mazoku maligno Zabodi

AAVAN (EPÍLOGO)
Os demais pilares haviam caído e o sol voltou a brilhar sobre Johen. O restante do exército inimigo virou pó quando a luz os alcançou, terminando o ataque a cidade. O Leviatã trouxe reforços e médicos, para o alívio de Shin. Matamune e Coxinha estavam muito mal, sendo tratados imediatamente. Enquanto isso, Saika chorava ajoelhada e agarrada ao corpo de seu pai. Lina pôs a mão sobre seu ombro para consolá-la, mesmo sem conhecê-la. Dor e morte foram o que restou daquela guerra. Tudo por um orbe. Tudo pelo egoísmo de Zabodi. E, agora, tudo terminara. A vingança, seja lá de quem foi, havia terminado.

Lee Sin
Lee Sin estava num local que lembrava o plano espiritual. A sua frente, Zabodi apareceu em sua forma humana. A forma de Hitare. Mas parte dele ainda era Zabodi. Lee viu naquele lado demoníaco parte de si mesmo, que se esvaiu com a vontade de Hitare finalmente prevalecendo. O mago só queria usar o poder dos Tenbu Hörin para ressuscitar Annie, para poder ter de volta a sua amada. Mas o seu lado sombrio conjurado durante o ritual que marcou para sempre a vida de ambos o dominou por completo, deixando-o louco. Perdoando Lee Sin e sendo perdoado pelo herói, ambos puderam finalmente descansar e se encontrar com Annie num lugar melhor.

Dias depois, Sir Coxinha acordou no hospital, com a pequenina Nue ao seu lado dormindo profundamente. Isso o lembrou do que houve depois da luta contra Hebi, dias atrás. Matamune estava numa cama ao lado, também dormindo. O ogro paladino então viu que não estava só. A sua frente, muito bem sentado, estava Mestre Roshi. O senhor se levantou e disse que veio para ajudar os jovens heróis dali em diante, e treiná-los para enfrentar as forças de Hadlar, o rei dos mazoku que havia retornado. E então, falando com grande pesar e seriedade, ele se apresentou como Aavan, o grande herói do mundo de Aria. O herói de 600 anos atrás.

Enquanto isso, Shin estava no telhado do hospital, lendo o diário de Hebi mais uma vez. Ao seu lado, uma sacola com seis orbes de cores diferentes. Faltava apenas um orbe. Apenas um Tenbu Hörin. E Hadlar desejava todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário