segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Resenha: Hobbit A Desolação de Smaug

Olá pessoas!
Sabe aquela sensação de quando você sai do cinema querendo ter gostado mais do que viu. Bate aquela tristeza, aquele desânimo. Ai você fica desolado. Pois foi exatamente assim que sai do cinema quando vi a segunda parte da forçada trilogia do Hobbit. Forçada mesmo, pois o filme poderia ter metade da duração que ninguém ia reclamar, mas vamos aos fatos.

Antes de resenhar o filme atual, porém, devo dizer que minha nota para o primeiro filme foi 4 de 5. Uma Jornada Inesperada veio como uma boa surpresa, mas nada além disso. Com algumas cenas estranhas e andamento arrastado, o longa de quase 3 horas bem que poderia ter apenas 2, o que me agradaria mais. Ao menos a cena excessivamente longa da fuga da caverna dos globins/orcs não me cansou tanto quanto outras pessoas, e a invenção do orc “Kratos” como vilão do filme foi uma boa adição.


Com a Desolação de Smaug, eu esperava um filme diferente do seu antecessor, mais focado no problema que dá nome ao filme: o dragão. Entretanto, o grande vilão da película só vai aparecer tarde demais, confirmando as minhas piores expectativas para o ponto de ruptura deste filme para o próximo. Ao menos o dragão ficou acima da expectativa (bem acima), mas sendo pouco diante da história arrastada, cenas de ação longas demais, e até um romance patético digno de um Piratas do Caribe mal feito. E falando em piratas, porque diabos explorar tanto o personagem do Legolas quando ele nem aparece no livro? Foi legal ver seus malabarismos épicos no filme uma vez mais, mas a insistência no personagem e até a criação de um "rival" orc para ele foi desnecessária. Pior que ele só a forma como Bard e a Cidade do Lago foram retratados, sendo a pior parte do filme ao meu ver.


Nota: 3 de 5

Portanto, minha nota não poderia ser maior que a apresentada, e só chegou a tanto porque o filme ainda é assistível e MUITO bem feito. Na verdade, muito bem feito não faz justiça a fotografia, cenas de ação e o dragão apresentados na telona. Em termos técnicos, porém, o filme pecou na música. Bem, agora é esperar pelo fechamento que ficou com coisa demais para mostrar, podendo ter resumido um pouco as coisas com este filme mesmo.

Até and Bye...